Por: Assessoria de Imprensa | Publicado em: 13/05/2019 16:40:36

Adolescentes participam do programa de capacitação da Google, que visa criar oportunidades econômicas e promover desenvolvimento

 

A partir desta segunda-feira (13 de março), o Google realiza uma edição especial do Women Will, seu programa de capacitação para criar oportunidades econômicas e promover o desenvolvimento e o sucesso de mulheres ao redor do mundo, dedicada a meninas que estão ou já passaram por medidas socioeducativas na Fundação CASA. O treinamento acontece no Campus do Google para startups, em São Paulo.

Nesta edição, estão confirmadas 27 adolescentes. Mais da metade, 15, cumpre medida socioeducativa de internação nos CASAs Feminino Parada de Taipas e Chiquinha Gonzaga. As outras 12 já deixaram Fundação CASA e foram indicadas pelo Instituto Mundo Aflora.

As jovens são incentivadas a desenvolver novas habilidades técnicas, comportamentais e pessoais através de quatro dias imersivos de treinamento presencial, com uma agenda abrangente e pensada especialmente para suas necessidades.

Entre os temas escolhidos para este Women Will destacam-se assuntos como ferramentas digitais, negociação, autoimagem, liderança feminina, empregabilidade na prática, técnicas de relaxamento e controle emocional, segurança digital e marketing digital.

Com parceria da Rede Mulher Empreendedora (RME), o conteúdo é ministrado por Googlers e por facilitadoras da Rede Mulher Empreendedora, parceira do Google no programa de capacitação, a qual, além de fornecer certificados de conclusão do treinamento, também oferece às participantes acompanhamento por três meses com mentoria, cursos em plataformas educacionais, participação em programas de tecnologia e avaliação psicológica.

Sobre o programa Women Will

Womenwill é um programa do Google para capacitar mulheres brasileiras a criar suas próprias oportunidades econômicas, tornando-as confiantes e habilitadas para aproveitar todo o potencial do digital, seja iniciando um empreendimento, mudando de carreira ou encontrando um emprego.

O Brasil é o quinto país a receber o programa. Em 2017, fizemos um piloto do programa com 100 moradoras de Paraisópolis e Brasilândia, em São Paulo, para entender quais são as necessidades reais delas e construir um treinamento relevante e efetivo.

Em 2018, o projeto foi realizado mensalmente no Campus São Paulo e também contou com edições especiais em Brasília, Teresina, Natal, Salvador, Fortaleza e João Pessoa.

Em São Paulo foram 16 horas de treinamento, divididas em dois dias, focando especialmente em grupos femininos que não tiveram acesso a programas de capacitação, como mães de filhos pequenos, mães solo, mulheres maduras 50+ e mulheres transgêneros. Até momento mais de 10 mil mulheres já foram treinadas.

Cenário brasileiro

Quando o assunto é desigualdade econômica, o Brasil está em 91º lugar de 144 países no relatório de desigualdade de gênero, elaborado pelo Fórum Econômico Mundial em 2016.

Essas distâncias foram ressaltadas devido à crise econômica e política que o país tem enfrentado nos últimos anos. Prova disso é o fato do desemprego entre as mulheres ser 30% maior na comparação com os homens.

Melhorar as habilidades das mulheres para lidar com o mundo digital ajudaria a alcançar igualdade no trabalho 40 anos mais rápido, segundo a consultoria Accenture. Por isso, conectá-las ao mundo on-line e fornecer as ferramentas necessárias para que possam usufruir ao máximo do digital é essencial para reverter o cenário brasileiro.

Investir na formação das mulheres é incentivar que encontrem novas oportunidades de trabalho, melhorem suas carreiras e abram seus próprios negócios. Além disso, é uma maneira de garantir crescimento para o país, pois o PIB poderia ser 30% mais alto se as mulheres participassem do mercado de trabalho na mesma proporção que os homens.

 

Com informações da Assessoria de Imprensa da Google