Por: Assessoria de Imprensa | Publicado em: 02/07/2019 16:37:44

Os jovens terão programações culturais, de saúde e esporte nas férias de julho

 

Julho é mês de férias e, pensando nisso, a Fundação CASA está com uma programação especial. São ideias para deixar o período de folga escolares mais divertido, educativo e alterar o cotidiano dos jovens, que tem como base o Calendário Escolar estabelecido pela Secretaria Estadual de Educação.

A programação é diversificada e conta com participação das áreas Escolar, Educação Profissional, Arte e Cultura e Educação Física e Esporte e Saúde.

A Gincana Cultural, por exemplo, dará chance para os (as) garotos (as) explorarem diferentes aspectos de cada país, possibilitando um trabalho de pesquisa, produção e compartilhamento do conhecimento. Há opções de cinema comentado, torneios internos de jogos cooperativos, competitivos, brincadeiras antigas, jardinagem, preparação de telejornal, peças teatrais e até a oportunidade de escrever um livro.

No escopo da saúde, palestras de higiene bucal; prevenção de doenças; IST; higiene e asseio pessoal; malefícios do fumo e uso de drogas (lícitas e ilícitas) são algumas opções. Há também orientação vocacional, atividades em grupos; workshops; e discussão de temas do Comitê dos Direitos Humanos e Diversidade, como bullying; discriminação e racismo.

O diretor técnico da instituição, Adilson Fernandes de Souza, ressalta a importância de cumprir o que o Estatuto determina. Para todos (as) adolescentes são garantidos o acesso à educação formal, cultura, esportes e lazer, inclusive aos que cumprem medida socioeducativa em cada um dos programas de atendimento, seja Internação Provisória, Internação ou Semiliberdade.

“Temos que estimular a curiosidade, proporcionando o acesso à recreação, o lazer, a criatividade, a musicalidade, a cooperação”, enfatiza.

De acordo com Souza, as possibilidades são inúmeras quando se envolve as outras áreas que compõem a pedagógica, como saúde, a segurança e o administrativo. “Amplia as alternativas com oficinas, palestras, rodas de conversa, debates e outras formas de ações coletivas”, disse.

Quando perguntado à jovem Bianca*, que cumpre medida socioeducativa no CASA Chiquinha Gonzaga, na capital paulista, o que ela pensa sobre as férias, ela afirma que é um momento para sair da rotina. “Vamos ter a oportunidade de acordar um pouco mais tarde e distrair mais a mente com atividades prazerosas. Lá fora, quando não estava internada costumava ficar com as minhas primas nas férias e, de preferência, no celular. Como aqui não posso usar, quero participar ativamente de todas as atividades propostas”, comentou.